0

Nossa marcha… ano após ano…

caminhada1

Neste penúltimo dia do ano, em momento de reflexão e oração particular, solicitei, como sempre, a ajuda das palavras edificantes do espírito Emmanuel, através da psicografia de Chico Xavier, contidas no livro Pão Nosso.

Este livro faz parte de uma coleção de 04 (quatro) livros, quais sejam: Caminho, Verdade e Vida; Pão Nosso, Vinha de Luz e Fonte Vive, por meio dos quais Chico Xavier traduz as idéias e mensagens passadas pelo Espírito Emmanuel.

Os capítulos tratam de temas diversos, e exercem sua atividade relatando determinada passagem das escrituras sagradas e dando-as interpretação útil para o auxílio em nossa jornada terrestre.

Leia Mais…

2

As fases do caminho. Em qual você se encontra?

fases

Reconhece-se o verdadeiro Espírita pela sua transformação moral, e pelos esforços que faz para domar suas más inclinações. (Allan Kardec, Evangelho segundo o Espiritismo, Capítulo 17, item 4).

Dentre as muitas necessidades existentes na sociedade moderna, que exigem de nós esforço para serem supridas, surge em nosso ser o imperativo da espiritualização.

Os sofrimentos pelos quais passamos na vida, as dificuldades que enfrentamos em nossa jornada, o esforço que fazemos para conseguir algo de nosso interesse, a “aparente” injustiça que ocorre em determinadas situações sociais e individuais, tudo isso faz crescer em nós a sensação de que nos falta algo mais substancial para entender o mecanismo da vida. Leia Mais…

2

Rezar funciona?

ORAO_P~1

Seja o que for que peças na prece, credes que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes. (Marcos, 11:24)

Há quem conteste a eficácia da prece, com fundamento no princípio de que, conhecendo Deus as nossas necessidades, inútil seria dize-las. E acrescentam os que assim pensam que, achando-se tudo no Universo encadeado por leis eternas e imutáveis, não podem as nossas súplicas mudar os decretos e decisões de Deus.

Sem dúvida alguma há leis naturais e imutáveis que não podem ser extintas ao capricho de cada um; mas, daí a crer-se que todas as circunstâncias da vida estão submetidas à fatalidade e ao acaso, vai grande distância. Se assim fosse, nada mais seria o homem do que instrumento passivo, sem livre-arbítrio e sem iniciativa. Nessa hipótese, só lhe caberia curvar a cabeça aos acontecimentos, sem cogitar de evitá-los. Deus não lhe outorgou a razão e a inteligência, para que ele as deixasse sem serventia; a vontade, para não querer; a atividade, para ficar inativo. Sendo livre o homem de agir num sentido ou noutro, seus atos lhe acarretam, e aos demais, conseqüências subordinadas ao que ele faz ou não. Leia Mais…

2

A doutrina evangélica

o-evangelho-segundo-o-espiritismo3

Jesus, o Cristo, foi o personagem da história sobre o qual sempre existiu um mistério inquestionável: qual a mensagem que Ele quis passar com sua vinda a Terra, falando de amor e fazendo muitos milagres?

Eu, batizado na Igreja Católica, aprendi, desde criança, que Jesus era o filho de Deus, homem bom, sábio e que morreu na cruz por causa de nós.

Depois que adentrei na rotina adulta, tive oportunidade mais concreta de ler sobre a vida e a mensagem de Jesus nos Evangelhos, como também em outros livros da bíblia, posteriores a eles. No entanto, algumas passagens das escrituras eram por mim interpretadas de forma muito obscura, e até ininteligível. Confesso a vocês que quando li a passagem que Cristo conversa com Nicodemos (João, 3:1 a 12), também fiz a mesma pergunta que ele dirigiu a Jesus, pois “como pode um homem já velho nascer novamente, entrando na barriga da sua mãe?”. Espero que não estejam pensando mal de minha inocência por não conseguir raciocinar nada mais esclarecedor, mas até aquele momento eu achava essa passagem um pouco confusa, sem lógica. Leia Mais…

1

Caridade: a maior virtude

caridade

Sede bons e caridosos: essa a chave dos céus, chave que tendes em vossas mãos. Toda a eterna felicidade se contém neste preceito: “Amai-vos uns aos outros.”

Não pode a alma elevar-se às altas regiões espirituais, senão pelo devotamento ao próximo; somente nos arroubos da caridade encontra ela ventura e consolação. Sede bons, os vossos irmãos, deixai de lado a horrenda chaga do egoísmo. Cumprido esse dever, abrir-se-vos-á o caminho da felicidade eterna.

Ao demais, qual dentre vós ainda não sentiu o coração pulsar de júbilo, de íntima alegria, à narrativa deu m ato de bela dedicação, de uma obra verdadeiramente caridosa?

Leia Mais…

1

Idéias consoladoras

jesus-e-o-coracao-de-crianca1

Interessante o resultado de uma pesquisa realizada por psicólogos nos Estados Unidos, para analisar o “stress” em organismos que pudessem dar resultados assemelhados aos dos seres humanos. Para isso, usaram ratos de laboratório, separando-os em dois grupos. Um grupo deveria, para conseguir chegar a um único queijo, adentrar num circuito e realizar vários exercícios.  O outro conjunto dos pequenos mamíferos teria que, sem fazer nenhum esforço, chegar a vários queijos dispostos no local onde se encontravam.

Resultado: O grupo do menor esforço e dos vários queijos obteve um nível de “stress” mais alto.

Quando sabemos aonde queremos chegar, nosso corpo e nossa mente direcionam esforços para atingir tal objetivo. Evitamos, assim, de usar energia e vitalidade em excesso, em situações que não nos irão levar a lugar nenhum.

Leia Mais…

1

Ciência e Espiritualidade: Uma aliança inevitável

5588796601_ac8c722b11_b

A partir do momento em que nascemos, somos aparelhados para lidar com o mundo com o qual passamos a nos envolver. Desde criança, conseguimos aprender várias coisas por nós mesmos, e também receber o conhecimento cultural da sociedade na qual estamos inseridos. Tudo isso com a ajuda da razão, da nossa capacidade de crescer psicologicamente recebendo estímulos do ambiente, interpretando-os e transformando-os em atitudes e pensamentos.

É isso mesmo, vivemos aprendendo a usar a nossa razão para nos relacionarmos com fatos, atos e estímulos constantes. Leia Mais…

2

As Sementes da Razão

semeador

Eis que o semeador saiu a semear.

Prodigioso e astuto parou para planejar o seu intento de disseminar o amor e a paz, antes de começar a espalhar suas sementes.

Montou um quadro no qual detinha cuidadosamente todos os caminhos a seguir. Elencou bravamente seus objetivos e separou, de modo preciso, os pequeninos germens de sua obra. Esperava contar com todos, mas entendia que os seus ajudantes não viriam a ter com ele os mesmos objetivos e intenções. Apesar disso, conseguiu a simpatia de um auxiliar, um aprendiz, que aceitou cooperar com o seu intento.

Leia Mais…